Estresse e calor causam maioria dos atendimentos médicos na RoboCup                    Tio e sobrinho são baleados durante jogo de bola de gude em João Pessoa                    Faturamento de mototaxistas triplica durante greve na PB, diz sindicato                    Marinas de Cabedelo são multadas e autuadas em operação na PB, diz PF                    Casos de pessoas com HIV caíram 21% em 2013 na Paraíba, diz SES                    Estudantes protestam contra reajuste na tarifa de ônibus em João Pessoa                    População busca alternativas durante greve de ônibus em Campina Grande                    Agricultor morre após ser atropelado duas vezes na Paraíba, diz polícia                    Veja a agenda dos candidatos ao governo da PB nesta quarta-feira, 23                    Suspeito de matar esposa morre em acidente após o crime na PB, diz PM                    Estado de saúde de Ariano Suassuna permanece instável                    Greve de ônibus em Campina Grande impede 95 mil embarques                    Prazo para cadastro de convocados da UFPB no Sisu termina nesta quarta                    Em PE, recompensa por pista sobre morte de médico sobe para R$ 20 mil                    Quadro clínico de Ariano Suassuna piora e situação é instável, diz boletim                    Promotor da PB denuncia suspeitos de envolvimento em morte de casal                    Suspeito de chefiar tráfico no Sertão da PB é preso com 3kg de maconha                    Sindicato anuncia greve de ônibus em Campina Grande a partir de quarta                    Divulgada lista de locais de prova para concurso do TRT da Paraíba                    RoboCup, na PB, tem palestras para empreendedores e pesquisadores                    Comissão é criada para discutir conflitos agrários na Paraíba                    Arquidiocese da PB proíbe padres políticos de celebrarem missas                    Delegado investiga tentativa de homicídio de policial militar na PB                    Robôs dançam forró durante a RoboCup 2014, em João Pessoa                    Candidatos da lista de espera do Sisu 2014.2 são convocados na Paraíba                    Ariano Suassuna está em coma e respira com ajuda de aparelhos                    Cachorro invade rodovia e provoca engavetamento na Paraíba, diz PRF                    Caravana realiza quase 500 exames cardiológicos na Paraíba no 1º dia                    Motorista fica preso às ferragens após tombar com caminhão na Paraíba                    Veja a agenda dos candidatos ao governo da PB nesta terça-feira, 22                    Partidos e coligações não cumprem mínimo de 30% de candidatas na PB                    Após AVC, estado de saúde de Ariano Suassuna permanece estável                    Águas de seis reservatórios serão liberadas para rio na PB, diz Aesa                    TRE da Paraíba aceita recurso de deputada e afasta inelegibilidade                    Senador Cícero Lucena declara afastamento da política na PB                    Grupo de moradores interdita trecho da BR-230 em Cabedelo, na Paraíba                    Suspeitos morrem em tentativa de assalto a policial militar na Paraíba                    Robô alemão ajuda em emergências domésticas na RoboCup 2014, na PB                    Equipe da PB representa o Brasil na categoria Júnior da RoboCup                    Ônibus colide com bicicleta e deixa uma pessoa ferida em Bayeux, na PB                   

7/12/2012
Vitória e conquista de novas prerrogativas
Brasília, 05 de dezembro de 2012


PREZADOS,



Vitória e conquista de mais prerrogativas.



Aprovado nesta data (05) o PL 6.578 de 2009, que dispõe sobre as organizações criminosas, perante o Plenário da Câmara dos Deputados (texto abaixo).



O texto contempla inúmeras prerrogativas fundamentais para o exercício da investigação criminal conduzida pelo DELEGADO DE POLÍCIA.



O projeto, já aprovado no Senado e, agora, pela Câmara, retornará ao Senado para apreciação das emendas e, posteriormente, seguirá para sanção.



Atenciosamente,



Paulo D’ Almeida



Presidente da Adepol do Brasil




PROJETO DE LEI Nº 6.578, DE 2009



PLS No 150/2006



Dispõe sobre as organizações criminosas, os meios de obtenção da prova, o procedimento criminal e dá outras providências.



O Congresso Nacional decreta:



CAPÍTULO I



Da Organização Criminosa



Art. 1° Esta Lei define organização criminosa e dispõe sobre a investigação criminal, meios de obtenção da prova, infrações penais correlatas e procedimento criminal a ser aplicado.



§ 1° Considera-se organização criminosa a associação, de 4 (quatro) ou mais pessoas, estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, ainda que informalmente, com objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 (quatro) anos, ou que sejam de caráter transnacional.



§ 2° Esta Lei se aplica também:



I - às infrações penais previstas em tratado ou convenção internacional quando, iniciada a execução no País, o resultado tenha ou devesse ter ocorrido no estrangeiro, ou reciprocamente;



II – às organizações terroristas internacionais, reconhecidas segundo as normas de direito internacional, por foro do qual o Brasil faça parte, cujos atos de suporte ao terrorismo, bem como os atos preparatórios ou de execução de atos terroristas ocorram ou possam ocorrer em território nacional.



Art. 2º Promover, constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa:



Pena – reclusão, de 3 (três) a 8 (oito) anos, e multa, sem prejuízo das penas correspondentes às demais infrações penais praticadas.



§ 1º Nas mesmas penas incorre quem impede ou, de qualquer forma, embaraça a investigação de infração penal que envolva organização criminosa.



§ 2º As penas aumentam-se até a metade se na atuação da organização criminosa houver emprego de arma de fogo.



§ 3° A pena é agravada para quem exerce o comando, individual ou coletivo, da organização criminosa, ainda que não pratique pessoalmente atos de execução.



§ 4° A pena é aumentada de um sexto a dois terços:



I – se há participação de criança ou adolescente;



II – se há concurso de funcionário público, valendo-se a organização criminosa dessa condição para a prática de infração penal;



III – se o produto ou proveito da infração penal destinar-se, no todo ou em parte, ao exterior;



IV – se a organização criminosa mantém conexão com outras organizações criminosas independentes;



V – se as circunstâncias do fato evidenciarem a transnacionalidade da organização.



§ 5º Se houver indícios suficientes de que o funcionário público integra organização criminosa, poderá o Juiz determinar seu afastamento cautelar do cargo, emprego ou função, sem prejuízo da remuneração, quando a medida se fizer necessária à investigação ou instrução processual.



§ 6º A condenação com trânsito em julgado acarretará ao funcionário público a perda do cargo, função, emprego ou mandato eletivo, e a interdição para o exercício de função ou cargo público pelo prazo de 8 (oito) anos subsequentes ao cumprimento da pena.



§ 7º Havendo indícios de participação de policial nos crimes de que trata esta Lei, a Corregedoria de Polícia instaurará inquérito policial, comunicando ao Ministério Público, que designará membro para acompanhar o feito até a sua conclusão.



CAPÍTULO II



Da Investigação e dos Meios de Obtenção da Prova



Art. 3º Em qualquer fase da persecução penal, serão permitidos, sem prejuízo de outros já previstos em lei, os seguintes meios de obtenção da prova:



I – colaboração premiada;



II – captação ambiental de sinais eletromagnéticos, ópticos ou acústicos;



III – ação controlada;



IV – acesso a registros de ligações telefônicas e telemáticas, a dados cadastrais constantes de bancos de dados públicos ou privados, e a informações eleitorais ou comerciais;



V – interceptação de comunicações telefônicas e telemáticas, nos termos da legislação específica;



VI – afastamento dos sigilos financeiro, bancário e fiscal, nos termos da legislação específica;



VII – infiltração por policiais, em atividade de investigação, na forma do art. 11;



VIII – cooperação entre instituições e órgãos federais, distritais, estaduais e municipais na busca de provas e informações de interesse da investigação ou da instrução criminal.



SEÇÃO I



Da Colaboração Premiada



Art. 4º O Juiz poderá, a requerimento das partes, conceder o perdão judicial, reduzir em até dois terços a pena privativa de liberdade ou substituí-la por restritiva de direitos daquele que tenha colaborado efetiva e voluntariamente com a investigação e com o processo criminal, desde que dessa colaboração advenha um ou mais dos seguintes resultados:



I – a identificação dos demais coautores e partícipes da organização criminosa e das infrações penais por eles praticadas;



II – a revelação da estrutura hierárquica e da divisão de tarefas da organização criminosa;



III – a prevenção de infrações penais decorrentes das atividades da organização criminosa;



IV – a recuperação total ou parcial do produto ou do proveito das infrações penais praticadas pela organização criminosa;



V – a localização de eventual vítima com a sua integridade física preservada.



§ 1° Em qualquer caso, a concessão do beneficio levará em conta a personalidade do colaborador, a natureza, circunstâncias, gravidade e repercussão social do fato criminoso e a eficácia da colaboração.



§ 2° Considerando a relevância da colaboração prestada, o Ministério Público, a qualquer tempo, e o Delegado de Polícia, nos autos do inquérito policial, com a manifestação do Ministério Público, poderão requerer ou representar ao Juiz pela concessão de perdão judicial ao colaborador, ainda que esse benefício não tenha sido previsto na proposta inicial, aplicando-se, no que couber, o art. 28 do Código de Processo Penal.



§ 3° O prazo para oferecimento de denúncia ou o processo, relativos ao colaborador, poderá ser suspenso por até 6 (seis) meses, prorrogáveis por igual período, até que sejam cumpridas as medidas de colaboração, suspendendo-se o respectivo prazo prescricional.



§ 4° Nas mesmas hipóteses do caput, o Ministério Público poderá deixar de oferecer denúncia se o colaborador:



I – não for o líder da organização criminosa;



II – for o primeiro a prestar efetiva colaboração nos termos deste artigo.



§ 5° Se a colaboração for posterior à sentença, a pena poderá ser reduzida até a metade ou será admitida a progressão de regime ainda que ausentes os requisitos objetivos.



§ 6° O Juiz não participará das negociações realizadas entre as partes para a formalização do acordo de colaboração, que ocorrerá entre o Delegado de Polícia, o investigado e o Defensor, com a manifestação do Ministério Público, ou, conforme o caso, entre o Ministério Público e o investigado ou acusado e seu Defensor.



§ 7° Realizado o acordo na forma do §6º, o respectivo termo, acompanhado das declarações do colaborador e de cópia da investigação, será remetido ao Juiz para homologação, o qual deverá verificar sua regularidade, legalidade e voluntariedade, podendo para este fim, sigilosamente, ouvir o colaborador, na presença de seu Defensor.



§ 8° O Juiz poderá recusar homologação à proposta que não atender aos requisitos legais, ou adequá-la ao caso concreto.



§ 9° Depois de homologado o acordo, o colaborador poderá ser ouvido, sempre acompanhado pelo seu Defensor, pelo membro do Ministério Público ou pelo Delegado de Polícia responsável pelas investigações.



§ 10. As partes podem retratar-se da proposta, caso em que as provas autoincriminatórias produzidas pelo colaborador não poderão ser utilizadas exclusivamente em seu desfavor.



§ 11. A sentença apreciará os termos do acordo homologado e sua respectiva eficácia.



§ 12. Ainda que beneficiado por perdão judicial ou não denunciado, o colaborador poderá ser ouvido em juízo a requerimento das partes ou por iniciativa da autoridade judicial.



§ 13. Sempre que possível, o registro dos atos de colaboração será feito pelos meios ou recursos de gravação magnética, estenotipia, digital ou técnica similar, inclusive audiovisual, destinados a obter maior fidelidade das informações.



§ 14. Nos depoimentos que prestar, o colaborador renunciará, na presença de seu Defensor, ao direito ao silêncio e estará sujeito ao compromisso legal de dizer a verdade.



§ 15. Em todos os atos de negociação, confirmação e execução da colaboração, o colaborador deverá estar assistido por Defensor.



§ 16. Nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento apenas nas declarações de agente colaborador.



Art. 5° São direitos do colaborador:



I – usufruir das medidas de proteção previstas na legislação específica;



II – ter nome, qualificação, imagem e demais informações pessoais preservadas;



III – ser conduzido, em juízo, separadamente dos demais coautores e partícipes;



IV – participar das audiências sem contato visual com os outros acusados;



V – não ter sua identidade revelada pelos meios de comunicação, nem ser fotografado ou filmado, sem sua prévia autorização por escrito;



VI – cumprir pena em estabelecimento penal diverso dos demais corréus ou condenados.



Art. 6° O termo de acordo da colaboração premiada deverá ser feito por escrito e conter:



I – o relato da colaboração e seus possíveis resultados;



II – as condições da proposta do Ministério Público ou do Delegado de Polícia;



III – a declaração de aceitação do colaborador e de seu Defensor;



IV – as assinaturas do representante do Ministério Público ou do Delegado de Polícia, do colaborador e de seu Defensor;



V – a especificação das medidas de proteção ao colaborador e à sua família, quando necessário.



Art. 7° O pedido de homologação do acordo será sigilosamente distribuído, contendo apenas informações que não possam identificar o colaborador e o seu objeto.



§ 1° As informações pormenorizadas da colaboração serão dirigidas diretamente ao Juiz a que recair a distribuição, que decidirá no prazo de 48 (quarenta e oito) horas.



§ 2º O acesso aos autos será restrito ao Juiz, ao Ministério Público e ao Delegado de Polícia, como forma de garantir o êxito das investigações, assegurando-se ao Defensor, no interesse do representado, amplo acesso aos elementos de prova que digam respeito ao exercício do direito de defesa, devidamente precedido de autorização judicial, ressalvados os referentes às diligências em andamento.



§ 3° O acordo de colaboração criminal deixa de ser sigiloso, assim que recebida a denúncia, observado o disposto no art. 5°.



SEÇÃO II



Da Ação Controlada



Art. 8° Consiste a ação controlada em retardar a intervenção policial ou administrativa relativa à ação praticada por organização criminosa ou a ela vinculada, desde que mantida sob observação e acompanhamento para que a medida legal se concretize no momento mais eficaz à formação de provas e obtenção de informações.



§ 1º O retardamento da intervenção policial ou administrativa será previamente comunicado ao Juiz competente que, se for o caso, estabelecerá os seus limites, e comunicará o Ministério Público.



§ 2° A comunicação será sigilosamente distribuída de forma a não conter informações que possam indicar a operação a ser efetuada.



§ 3º Até o encerramento da diligência, o acesso aos autos será restrito ao Juiz, ao Ministério Público e ao Delegado de Polícia, como forma de garantir o êxito das investigações.



§ 4º Ao término da diligência, elaborar-se-á auto circunstanciado acerca da ação controlada.



Art. 9º Se a ação controlada envolver transposição de fronteiras, o retardamento da intervenção policial ou administrativa somente poderá ocorrer com a cooperação das autoridades dos países que figurem como provável itinerário ou destino do investigado, de modo a reduzir os riscos de fuga e extravio do produto, objeto, instrumento ou proveito do crime.



SEÇÃO III



Da infiltração de agentes



Art. 10. A infiltração de agentes de polícia em tarefas de investigação, representada pelo Delegado de Polícia, ou requerida pelo Ministério Público, após manifestação técnica do Delegado de Polícia quando solicitada no curso de inquérito policial, será precedida de circunstanciada, motivada e sigilosa autorização judicial, que estabelecerá seus limites.



§ 1º Na hipótese de representação do Delegado de Polícia, o Juiz competente, antes de decidir, ouvirá o Ministério Público.



§ 2º Será admitida a infiltração se houver indícios de infração penal de que trata o art. 1º e se a prova não puder ser produzida por outros meios disponíveis.



§ 3º A infiltração será autorizada pelo prazo de até 6 (seis) meses, sem prejuízo de eventuais renovações, desde que comprovada sua necessidade.



§ 4º Findo o prazo previsto no § 3º, o relatório circunstanciado será apresentado ao Juiz competente, que imediatamente cientificará o Ministério Público.



§ 5º No curso do inquérito policial, o Delegado de Polícia poderá determinar aos seus agentes, e o Ministério Público poderá requisitar, a qualquer tempo, relatório da atividade de infiltração.



Art. 11. O requerimento do Ministério Público ou a representação do Delegado de Polícia para a infiltração de agentes conterão a demonstração da necessidade da medida, o alcance das tarefas dos agentes e, quando possível, os nomes ou apelidos das pessoas investigadas e o local da infiltração.



Art. 12. O pedido de infiltração será sigilosamente distribuído, de forma a não conter informações que possam indicar a operação a ser efetivada ou identificar o agente que será infiltrado.



§ 1º As informações quanto a necessidade da operação de infiltração serão dirigidas diretamente ao Juiz competente, que decidirá no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, após manifestação do Ministério Público na hipótese de representação do Delegado de Polícia, devendo-se adotar as medidas necessárias para o êxito das investigações e a segurança do agente infiltrado.



§ 2º Os autos contendo as informações da operação de infiltração acompanharão a denúncia do Ministério Público, quando serão disponibilizados à defesa, assegurando-se a preservação da identidade do agente.



§ 3º Havendo indícios seguros de que o agente infiltrado sofre risco iminente, a operação será sustada mediante requisição do Ministério Público ou pelo Delegado de Polícia, dando-se imediata ciência ao Ministério Público e à autoridade judicial.



Art. 13. O agente que não guardar, na sua atuação, a devida proporcionalidade com a finalidade da investigação, responderá pelos excessos praticados.



Parágrafo único. Não é punível, no âmbito da infiltração, a prática de crime pelo agente infiltrado no curso da investigação, quando inexigível conduta diversa.



Art. 14. São direitos do agente:



I – recusar ou fazer cessar a atuação infiltrada;



II – ter sua identidade alterada, aplicando- se, no que couber, o disposto no art. 9º da Lei nº 9.807, de 13 de julho de 1999, bem como usufruir das medidas de proteção a testemunhas;



III – ter seu nome, sua qualificação, sua imagem, sua voz e demais informações pessoais preservadas durante a investigação e o processo criminal, salvo se houver decisão judicial em contrário;



IV – não ter sua identidade revelada, nem ser fotografado ou filmado pelos meios de comunicação, sem sua prévia autorização por escrito.



SEÇÃO IV



Do acesso a registros, dados cadastrais, documentos e informações



Art. 15. O Delegado de Polícia e o Ministério Público terão acesso aos dados cadastrais do investigado que informam qualificação pessoal, filiação e endereço, independentemente de autorização judicial, mantidos pela Justiça Eleitoral, pelas empresas telefônicas, pelas instituições financeiras, pelos provedores de internet e pelas administradoras de cartão de crédito.



Art. 16. As empresas de transporte possibilitarão, pelo prazo de 5 (cinco) anos, acesso direto e permanente do Juiz, do Ministério Público ou do Delegado de Polícia, aos bancos de dados de reservas e registro de viagens.



Art. 17. As concessionárias de telefonia fixa ou móvel manterão, pelo prazo de cinco anos, à disposição das autoridades mencionadas no art. 15, registros de identificação dos números dos terminais de origem e de destino das ligações telefônicas internacionais, interurbanas e locais.



SEÇÃO V



Dos crimes ocorridos na investigação e na obtenção da prova



Art. 18. Revelar a identidade, fotografar ou filmar o colaborador, sem sua prévia autorização por escrito:



Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.



Art. 19. Imputar falsamente, sob pretexto de colaboração com a Justiça, a prática de infração penal a pessoa que sabe ser inocente, ou revelar informações sobre a estrutura de organização criminosa que sabe inverídicas:



Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.



Art. 20. Descumprir determinação de sigilo das investigações que envolvam a ação controlada e a infiltração de agentes:



Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.



Art. 21. Recusar ou omitir dados cadastrais, registros, documentos e informações requisitadas pelo Juiz, Ministério Público ou Delegado de Polícia, no curso de investigação ou do processo.



Pena – reclusão de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.



Parágrafo único. Na mesma pena incorre quem, de forma indevida, se apossa, propala, divulga, ou faz uso dos dados cadastrais de que trata esta Lei.



CAPÍTULO III



Disposições Finais



Art. 22. Os crimes previstos nesta lei e as infrações penais conexas serão apurados mediante procedimento ordinário previsto no Código de Processo Penal, observado o disposto no parágrafo único deste artigo.



Parágrafo único. A instrução criminal deverá ser encerrada em prazo razoável, o qual não poderá exceder a 120 (cento e vinte) dias quando o réu estiver preso, prorrogáveis em até igual período, por decisão fundamentada, devidamente motivada pela complexidade da causa ou por fato procrastinatório atribuível ao réu.



Art. 23. O sigilo da investigação poderá ser decretado pela autoridade judicial competente, para garantia da celeridade e da eficácia das diligências investigatórias, assegurando-se ao defensor, no interesse do representado, amplo acesso aos elementos de prova que digam respeito ao exercício do direito de defesa, devidamente precedido de autorização judicial, ressalvados os referentes às diligências em andamento.



Parágrafo único. Determinado o depoimento do investigado, seu Defensor terá assegurada a prévia vista dos autos, ainda que classificados como sigilosos, no prazo mínimo de 3 (três) dias que antecedem ao ato, podendo ser ampliado, a critério da autoridade responsável pela investigação.



Art. 24. O art. 288 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), passa a vigorar com a seguinte redação:



“Associação Criminosa



Art. 288. Associarem-se 3 (três) ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes:



Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos.



Parágrafo único. A pena aumenta-se até a metade se a associação é armada ou se houver a participação de criança ou adolescente.” (NR)



Art. 25. O art. 342 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), passa a vigorar com a seguinte redação:



“Art.342. .......................................................................................



Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.



....................................................................................................” (NR)



Art. 26. Esta Lei entra em vigor após decorridos 45 (quarenta e cinco) dias de sua publicação oficial.



Art. 27. Revoga-se a Lei nº 9.034, de 3 de maio de 1995.

PESQUISAR NOTÍCIAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS [+ notícias]

23/7/2014
Administração Penitenciária adquire 200 novos detectores de metais portáteis


23/7/2014
Polícia Civil prende em flagrante acusado de tentativa de homicídio em Patos


22/7/2014
Delegacia de Homicídios de João Pessoa prende 166 e indicia 244 por assassinatos no 1º semestre


21/7/2014
Aprovado reajuste de 66% para delegados de polícia do RN


19/7/2014
Segurança pública é aprovada por 92% dos estrangeiros, diz ministério


19/7/2014
Entidades defendem projeto que permite delegado fazer conciliação em crimes de menor potencial


18/7/2014
Delegacia da Mulher de Santa Rita recebe aparelhos do SOS Mulher


16/7/2014
OAB é a favor de conciliação feita em delegacia; MP é contra


16/7/2014
Casa de aborto clandestino é fechada em JP; polícia diz que mulher morreu no local


15/7/2014
Delegada classificada de temperamental por órgão de comunicação será indenizada



COMENTAR ESTA NOTÍCIA:

NOME:
CIDADE / ESTADO: -
COMENTARIO:
DIGITE O CÓDIGO: 4058  

8/12/2012 - 00:12:18
GEORGE JUNIOR
(PILÕES - PB)
"ESSA É MAIS UMA BATALHA QUE A NOSSA CATEGORIA ESTÁ VENCENDO CONTRA MUITAS OUTRAS, AS QUAIS TEMEM O NOSSO SUCESSO. O DELEGADO DE POLÍCIA SÓ QUER VER A CONSTITUIÇÃO SER CUMPRIDA E OS PRINCÍPIOS NORTEADORES DA CONSTITUIÇÃO SEREM APLICADOS. VAMO QUE VAMO."

ADEPDEL - Associação de Defesa das Prerrogativas dos Delegados de Polícia da Paraíba
Rua Marechal Esperidião Rosa, 185, Empresarial Milenia Center, SL 304 - Expedicionários - João Pessoa – PB

adepdel@gmail.com
www.adepdel.com.br